América do Norte

ESTADOS UNIDOS, por Natália Marques

Tarpon Springs

Imagem
Basílica de São Nicholas

Encontramos duas igrejas em Tarpon Springs, onde se deixam ex-votos, conhecidos em Grego como Tamatas. As Igrejas são de “São Nicholas” e “São Michael Taxiarchis”.

Em St. Michael encontramos uma mulher que nos contou sobre milagres alcançados por ela, sua mãe, e outras pessoas que ela conhecia. Aparentemente é um local popular, pois há pessoas que viajam da Grécia para visitar a pequena igreja durante certos festivais. 

A outra igreja é maior (como podem ver nas fotos) e tem uma sala na entrada, bem parecida com as salas de milagres do Brasil e do México, porém menor e mais organizada. Encontramos uma loja onde vimos os Tamatas a venda. A loja está no centro turistico da cidade, onde todos falam Grego, e os Tamatas podem ser comprados em várias lojas. 

Tarpon Springs é uma comunidade à beira mar, então muitos dos milagres originais eram de marinheiros.

Imagem

A catedral de St. Nícolas foi construída em 1907, primeiro como uma pequena igreja, para acomodar a comunidade Grega de Tarpon Springs, Flórida. Os imigrantes Gregos foram atraídos pela proximidade  de Tarpon Springs a uma área do Golfo com abundância de esponjas.

A vida no mar não é fácil, e St. Nicolas, que já tinha popularidade na Grécia como o protetor do mar, continuou a ser importante para os marinheiros, pescadores, mergulhadores e suas famílias. Foram essas pessoas que primeiro trouxeram a prática de oferecer Tamatas, a versão Grega de ex-votos, para a Flórida.

As ofertas aumentaram nos anos 1970, quando uma faxineira reparou que o ícone de St. Nícolas tinha lágrimas nos seus olhos. O fenômeno atraiu muitos devotos e especialistas da religião, sem dúvida elevando a fama da igreja e seu poder em alcançar milagres.

Os Tamatas, ou ex-votos em grego

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

As quatro fotos acima mostram os exemplos dos Tamatas, ex-votos em grego, tradição da Igreja Ortodoxa Cristã. Produzidos em diversas formas, em relevo, principalmente com figuras humanas ao centro, estão em latão, prata, bronze ou cobre. A última foto, no canto direito inferior, está a sala de milagres, com uma diversidade de ex-votos, não muito rica, mas que traz fotos, quadros de iconografia cristã oriental e os tradicionais Tamatas. Digamos que os Tamatas seriam, no Brasil e México, os ex-votos em formato tradicional, seja o pictórico, seja o escultórico em forma de membros humanos.

Os dois detalhes abaixo correspondem ao signo indicial que eleva o individualismo, a personalidade, o eu. A vida de quem enxerga o seu futuro, o seu caminho. Ou seria os seus olhos a fonte da saúde? Ou senão o problema da saúde! Já a figura feminina, que entre muitos exemplos tamatas, aparece com a indumentária em saia curta, com ares tímidos, fixos, representa também o indivíduo o eu, mas por completo.

Ambos os exemplos abaixo tem uma comparação com ex-votos latinos. O caso dos olhos é tradição, desde o século XVIII, de pinturas que mostram somente olhos. Hoje eles são representados em fotos em close up, desenhos e, como se não bastasse, globos oculares verdadeiros, como os documentados na Penha da Paraíba, Brasil.

Já as figuras femininas em relevo, tem as sua similitude na farta tipologia ex-votiva das bonecas, das fotos, dos relevos, dos milagritos etc, que trazem o corpo completo, anônimo, mas representativo de alguém que simplesmente pretende se mostrar ao seu deus, e se ocultar dos observadores das salas e museus.

Imagem
Em primeiro plano, placa tamata: olhos.
Imagem
Tamata em placa. Figura feminina em relevo

MÉXICO

Rota 4. Museu do Santuário de Guadalupe

Imagem

O Museu da Basílica de Guadalupe está localizado atrás da Basílica Velha, a segunda igreja. Segundo as museólogas, algumas das salas do museu foram construídas especificamente para o uso museográfico em 1931. Outros espaços eram usados com o fim religioso, como sacristia, salão do reitor e escritórios específicos.

O museu foi inaugurado em 12 de outubro de 1941 pelo Abade de Guadalupe Feliciano XX Cortez e Mora. Possui hoje uma coleção de mais de 4.000 peças, sendo quase que 3.000 delas ex-votos, denominado “retábulos”. As demais peças são objetos que se enquadram na arte sacra, nas subcategorias da pintura, escultura, gravura, têxteis, jóias e móveis. 

Desde a sua fundação, o seu objetivo principal é resgatar algumas das formas de arte que se desenvolveram em torno da Virgem de Guadalupe. Dai a importância dada a sala principal, e primeira (da entrada) do museu, que traz os “retábulos” (ex-votos) que os fiéis têm depositado ao longo do tempo como agradecimento pelas graças alcançadas.

Os ex-votos, expostos, estão em murais verticais, colocados em madeira entre a colunata da sala retangular, um em frente do outro, com altura de aproximadamente 3 metros por 1,5 metro de largura. Os ex-votos, todos pictóricos, possuem datação que vai de 1837 a 1968.

​O curioso são os “milagritos”, também denominado “milagros”. Ex-votos pequenos, antes de uma iconografia impar, que demarcava somente parte do corpo, mas que, como mostra a coleção exposta, se pode notar chaveiros, retratos pequenos emoldurados, medalhas, apitos, carros e até mesmo uma pequenino “rei leão” (personagem da Disney).  São ex-votos recolhido da outrora sala de milagres do santuário.

As fotos abaixo mostram, em sequência, de cima para baixo, a entrada principal do museu, o frontal, em ângulo lateral, já que o museu fica na basílica velha. A terceira foto é a bolsista Aila Canto, no momento de sua entrevista com uma das museólogas. A quarta foto está Val Cândido fotografando o livro de catalogação e identificação dos ex-votos. As duas últimas fotos mostram parte do ambiente de trabalho dos museólogos e técnicos do museu, da área da documentação. O museu não possui um sistema informatizado.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Rota Mexicana 3. Chalma. 09 de dezembro de 2012

Imagem
Igreja do santuário de Chalma

No dia 9 de dezembro, após diversas tentativas de chegar a Nativitas, buscamos o roteiro inverso, que nos levasse a Chalma, um dos objetivos do Projeto. Duas horas de ônibus, um caminho repleto de comunidades pequenas, com pequenas igrejas e feiras com artigos religiosos, chegamos a Chalma.

Uma suntuosa igreja do século XVIII, que mostra a sua monumentalidade e grandiosidade, num estilo que próprio. Foi iniciada em 1756 e finalizada apenas em 1758.

Ao seu lado direito está a primeira sala de milagres, junto com um queimador de velas. A sala muito pequena, com um mural, que possuia, no dia da pesquisa, os famosos milagritos, fotos, cartas, contas e fitas. A sala de milagres principal fica aos fundos da igreja. Nela, uma riqueza pictórica junta a muitas fotos, poucos bilhetes e objetos avulsos. A imagem do Senhor de Chalma está localizada na vila de Chalma do município mexicano de Chalma, 11 km ao leste de Malinalco, na estrada s/n e a 45 km da cidade de Toluca.

As principais atividades religiosas que são realizadas são a peregrinação a pé e as danças tradicionais oferecidas ao Senhor de Chalma, este último sendo conhecido mais da população.

De acordo com a lenda que deu origem à veneração do Senhor de Chalma, quando os missionários Agostinianos foram destruir os ídolos cultuados pelas comunidade locais, encontraram na caverna uma imagem de Cristo com os ídolos a seus pés. Daí teve início o a veneração.

O Santuário do Senhor de Chalma é formado pela Igreja e convento construído no século XVII. O templo conflui os estilos neoclássico e plateresco. O seu altar é feito de madeira, com rica policromia que traz o outro em sua superfície frontal.

As peregrinações ocorrem principalmente em treze festivais ao longo do ano, a mais importante delas é em janeiro, no 6º dia da Epifania, na quarta feira de cinzas, na primeira sexta-feira da Quaresma, na Páscoa, no Pentecostes. O dia consagrado ao Senhor de Chalma é 1º de julho. No dia 28 de agosto, há intensa festa para o Santo Agostinho. E o dia 29 de setembro é reservado para São Miguel Arcanjo e Navidade.

Imagem

No dia 12 de dezembro de 2012 às 15 horas o grupo de pesquisa saiu da cidade do México em direção  ao Santuário do Senhor Bom Jesus de Chalma, também no México. Após 3 horas de viagem, uma grande surpresa para as bolsistas Aila Canto e Val Cândido, e o orientador José Cláudio, onde duas salas de milagres foram documentadas no respectivo dia, com uma adversidade, visto que o santuário fecharia às 18 horas e a chegada do grupo foi às 17 h. 
A primeira encontrava-se fechada, porém, foi fotografada e filmada através dos gradis que a protegiam, Tamatas, bilhetes e cartas ex-votivas e  imagens fotográficas foram registradas nessa primeira parada. 

A segunda sala encontrava-se da mesma forma, fechada, e foi registrada a partir do mesmo processo, filmagem e fotografação, onde uma grande tipologia ex-votiva foi observada. Desde os mais tradicionais reatábulos mexicanos (tábuas votivas), imagens fotográficas, imagens sacras, crucifixos esculpidos em materiais diversos, dentre tantas outras tipologias do rico acervo ex-votivo de Chalma. 

Ex-votos de Chalma

No santuário do Senhor de Chalma, os ex-votos estão “desobrigados” estão em duas salas de milagres. A primeira, bem menor, e que serve também como velário, está no corredor direito da igreja, num nicho  Nele, ex-votos em tipologia que varia entre milagritos a fotos e cartas. Estão organizados aleatoriamente num mural.
A segunda sala, a principal, em formato retangular, fica nos fundos da igreja, numa lateral do santuário. De tamanho também pequeno, mas em dimensões maiores que a primeira sala, esse ambiente possui três portas arqueadas frontais, com gradis, e uma porta de madeira ao lado. Os ex-votos estão dispostos aleatoriamente, em paredes, teto e chão.

Primeira sala

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Sala de milagres principal

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Rota Mexicana 2. Guadalupe. 08 de dezembro de 2012

A fantástica demonstração de fé dos mexicanos, no santuário de Guadalupe, revela o multiculturalismo, onde grupos, movimentos sociais, indivíduos e famílias lotam o santuário guadalupano. Hoje, sábado, foi um dia perfeito para os três pesquisadores do Projeto Ex-votos das Américas. Multidão, famílias com os seus filhos pequenos, bebês no colo e nos carrinhos. Jovens carregando cruzes, estandartes, velas. Casais pagando sua promessa. E um museu, brilhante pela arte sacra, rico com os ex-votos pictóricos, que teima em não permitir a fotografia.

O show fica à parte, proporcionado pelas pessoas, que buscam os seus lugares para os lanches, as fotos, o acender de velas. A igreja principal, lotada. A cada momento movimentos campesinos chegam com demonstração folkcomunicacional do som, das cores, da dança, para depois fazer a reverência à santa. 

Os pagadores de promessa levam os seus ex-votos variados, na maioria artísticos, para serem benzidos. Não há sala de milagres no santuários, mas espaços avulsos em que o ex-voto é apresentado à multidão. Ou simplesmente circular carregado nas costas de cada um. Numas das igrejas, a segunda mais antiga, os ex-votos em forma de fita, num espaço singelo ao lado da nave.

As fotos abaixo apresentam um pouco desse show de cultura popular e de fé de um povo sem stress, alegre, gentil e encantador, que do caminho das ruas à imensa esplanada do santuário, vai divulgando uma tradição e fé milenares.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Os ex-votos e os pagadores de promessas

Muitas pessoas trazem os seus ex-votos nas costas. São crucifixos, estandartes, pequenos oratórios ou relevos. A maioria dos relevos e oratórios traz a figura de Nossa Senhora de Guadalupe.

As velas, que nem sempre se enquadram no processo ex-votivo, mas basicamente votivo, são coloridas, e estão acesas em vários pontos do santuário.

E singularmente, sobre ex-votos desobrigados, estão as fitas com inscrições feitas à mão, em canetas esferográficas. Elas estão na segunda igreja, ao lado esquerdo da nave. Algumas com anexo, seja um bilhete, seja uma foto colorida. Não há sala de milagres no santuário.

A multidão e a arquitetura

O povo que paga a promessa, que desce e sobe as ladeiras do imenso espaço do santuário. Três igrejas, a dos primórdios do século XVII, a igreja inclinada, que é a intermediária, a basílica nova. Entre a imensidão arquitetônica e espacial, a multidão de pagadores de promessas, crentes apenas, camponeses apenas, cidadãos que vão visitar e fazer a oração. Gente que quer registrar a sua história no espaço de Nossa Senhora.

As 10 horas da manhã o movimento já era grande. Muita gente chegando ao santuário, que se encontra numa grande área próxima a lojas, alamedas e estações do metrô. 

O movimento de pessoas não para. Crianças, jovens, idosos, grupos, gente de todas as partes do México e do mundo se dirige ao santuário, em cuja entrada principal, na esplanada, grupos e movimentos sociais apresentam suas formas culturais na música, dança, arte pictórica e gestual. 

Entrar na igreja principal, naquele horário, é tarefa praticamente impossível.  

Primeiras incursões. Por Natália Marques. Março de 2012.

A primeira igreja que fomos visitar foi a de San Miguel, famosa por seus ex-votos. O caminho foi longo, as ruas cheias de lombadas e curvas, passando por cidades pequenas. Logo começamos a ver placas dizendo “para el niño”, e ao perguntar sobre este tal de “niño,” descobrimos que era na realidade uma pequena igreja. Todos disseram que deveríamos visitá-lo. Sentido aventureiros, começamos a seguir as placas. A igreja del Niño era maior do que tinham nos descrito – o tipo de igreja que você pode enxergar de qualquer parte da cidade. A primeira coisa que reparei foram caminhonetes de brinquedo que decoravam as vigas de suporte da cobertura em frente da igreja. Logo reparei outros caminhõezinhos em frente de uma estátua de um anjo, e percebi que talvez fossem mais do que brinquedos. Quanto à igreja em si não dava para ver nada: a missa foi tão bem atendida, pois havia pessoas de pé até a porta. Pelo menos mais vinte pessoas ouviam da parte de fora, encostadas perto da entrada. Comecei a andar ao retorno da igreja, procurando outros detalhes para fotografar quando encontrei uma entrada para um quartinho. Era igual às Salas de Milagres que achamos no Brasil. Roupas, brinquedos, fotos, pinturas, comida, flores; todas as paredes cobertas do que agora eu tinha reconhecido como ofertas votivas. O que mais me surpreendi foi o volume de pessoas que também tiravam suas próprias fotos. Muitas vezes me perguntam se eu me sinto culpada de entrar nesses lugares religiosos e tirar fotos de ofertas, mas vendo os próprios moradores tirando fotos e fazendo vídeos, isso nos ajuda a entender que esta é justamente a fase que estamos no mundo, a de quer recordar estes espaços, isso é parte de nossa cultura coletiva.

Em San Miguel a história era diferente. Na cidade onde encontramos el Ninõ o carnaval já tinha passado, em San Miguel só estava começando. O centro da cidade, construído pelos morros, estava cheio de barracas cobertas, servindo a vendedores de carne, de velas, flores e estátuas. As crianças brincavam por todo lugar; freiras andavam de lá até a missa, e jovens se molhavam com a água sagrada da fonte. Os ex-votos estavam em uma sala pequena, que dava à porta do pátio e à pequena capela. Não eram muitos, mas eram raros. Como havia pessoas rezando na capelinha, o eco da minha câmera me trouxe um pouco de dificuldade em tirar um grande número de fotos. A impressão desta sala de ex-votos é de que foi feita para as pinturas mais famosas. Em outra parte do complexo, havia uma entrada atrás do altar para a Igreja de San Miguel. Lá vi mais pessoas interagindo com ex-votos, pois podiam subir em uma escadinha e tocar na parte do véu de San Miguel (a parte de frente ficava para a missa), e alguns usavam este momento para deixa algum presente. Ali também tiravam fotos e vídeos.

 Já em Guadalupe estávamos no centro de uma cidade grande, onde com frequência passavam ônibus, táxis, carros em frente de lojas, restaurantes, e o grande comércio.

Na nova Basílica de Guadalupe, uma serie de esteiras eletrônicas levam o público para ver o famoso tecido com a imagem de Guadalupe. Você pode reentrar logo que um lado apaga, e retornar a outra direção par vê-la novamente ou tirar fotos. A maioria das pessoas faz a passagem com seus celulares apontados a ela, tirando fotos de sua peregrinação para vê-la. Os ex-votos que achei foram poucos, e os encontrei nas capelas, igrejas e entorno das duas basílicas (a nova e a velha). Só em uma igreja foi possível encontrar os milagritos, os pequenos ex-votos de prata ou ouro em forma de objetos, pessoas ou animais. Há alguns anos eu tinha lido um texto que descrevia centenas de barracas vendendo milagritos ao redor da igreja. No texto, o autor comenta que se podia comprar seu ex-voto em uma das barraquinhas e levá-lo diretamente a basílica. Talvez fosse má sorte, mas não achei nenhum vendedor de milagres. Com a continuação de nosso projeto, será possível descobrir o motivo da redução de milagritos e outras formas de ex-votos nas basílicas, ou pelo menos continuar a documentação que cada vez mais nos ajuda a entender a tradição de ex-votos com o tempo..

Guadalupe

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

SAN MIGUEL – NATIVITAS

Imagem

San Miguel del Milagro, 
Nativitas, Tlaxcala in Mexico

The church of San Miguel del Milagro in Nativitas, Tlaxcala is a excellent example of the ongoing development of ex-votos in the face of changing technology. In the photo gallery bellow, you will find examples of ‘original’ painted retablos, their tin derivatives for which Mexico is so famous, mixed media versions involving drawing and crafts, and finally, computer-made examples that utilize both figurative and realistic representations of miracles. Occasionally, an author or two will refer to the votive tradition as “dying” or “decreasing,” suggesting that the practice is largely a thing of the past. Being able to see so many recent variations of the tradition in a single site, however, suggests the continuity of votive practice over time.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
  • These photographs were taken on March 4, 2012 as a part of the Ex-votos da Américas project. The field visit would not have happened without the help of Claudio, Suzanna, and Pedro.
  • Category : Objects, Sites
  • Tags : Catholic, church, ex-voto, ex-votos, iglesia, igreja, mexico, nativitas, offerings, san miguel del milagro, tlaxcala.
  • By Natália Marques da Silva

THE CHUCH EL NIÑO DEL CERRITO

Imagem

The chuch el Niño del Cerrito is located in Santa Ana Nopalucan, in Tlaxcala, Mexico.  I have found different version’s of this church’s history on the internet, particularly one that states its establishment in 1927 [example]. I will only be including, however, the story I heard while I was there.
According to my source, one day a young boy appeared by the church’s original structure in 1952. No one knew where he came from or where he went to afterwards, but complied when asked that for a church with three wings to be built on that site. Once it was believed that the boy had spiritual powers the church begun to receive an abundance of offerings in gratitude or expectancy of miracles.
Extra Space. As you can see, almost every available surface is covered with toys or other offerings. As a result, church officials try to make extra space for the overwhelming amount of offerings. The following photos were taken in a room to the left of the church’s altar space.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

A tipologia ex-votiva é muito curiosa nesta sala de milagres. Como mostram as imagens, a maioria dos objetos representados por brinquedos, está voltada para a compra ou a troca do carro, seja ele caminhão, seja automóvel. Outro fator interessante, é a representatividade em fantasias carnavalescas e bolas de futebol, embora de brinquedos. Na sala de milagres, são poucos os ex-votos escritos (cartas e bilhetes). E um outro fator impressionante é o colorido regido pela tipologia dos brinquedos.

SALA DE MILAGRES DO SANTO DO POVO E DOS NARCOTRAFICANTES MEXICANOS.

Jesus Malverde The “Narco Saint” ou Santo dos Traficantes.

No noroeste do México, em Culiacan, a 1.240 km da Cidade do México, um referencial ex-votivo de um “Santo” protetor de bandidos e narcotraficantes,  que remete ao poder das quadrilhas de drogas, que, além da influência em manifestações culturais como a música e a pintura, demonstra também a sua aproximação com a religião. A exemplo do culto ao chamado santo dos narcotraficantes: Jesus Malverde, cujo vídeo ao lado foi divulgado em 16 de novembro de 2011 pelo UOL NOTÍCIAS. Nas imagens é possível ver a sala repleta de ex-votos.

O vídeo traz a matéria de uma televisão mexicana. E é importante notar uma sala de milagres, chamada de capela, similar a muitas brasileiras, mas com a singularidade de manter cantores em seu interior, para homenagear o personagem tido como santo, mas não reconhecido pela Igreja católica. Na passagem do vídeo, a de se notar cartas, bilhetes, esculturas, fotografias, miniaturas de casas, bonecos, depositados por variados tipos de pessoas e classes, como pescadores, artistas, empresários, desportistas de todo a região. Logo à entrada da sala está o busto de Jesus Malverde.
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=ChXxJUQICdk